03/07/2014 11:56:00

Os “Suárez” do mundo corporativo

Os “Suárez” do mundo corporativo class=


Fernando Mantovani

Portal Exame

Na semana passada, o assunto que ocupou grande parte dos jornais, websites e mídias sociais foi a mordida que o atacante Luis Suárez deu no zagueiro italiano Chiellini. Das consequências desse ato todos sabemos: Suárez foi punido pela FIFA e suspenso por vários meses.


Suárez é um craque, admirado por muitos por sua qualidade técnica. Mas, mesmo no ambiente informal e flexível do futebol, não adianta só saber jogar bem. É preciso ter um perfil comportamental, qualidades de trabalho em grupo, comunicação, negociação e resistência à pressão. Como muitos jogadores, Suárez demonstrou um comportamento agressivo diante de uma situação de alto estresse. Isso prejudicou seu desempenho no jogo e pode complicar o restante de sua carreira.


Nos negócios, a situação não é diferente. Muitos profissionais não sabem, mas grande parte das demissões nas empresas acontece porque as pessoas têm perfil comportamental inadequado. Ou seja, pessoas tecnicamente boas e competentes são demitidas por mau relacionamento com o chefe ou com os colegas ou por características como teimosia, impaciência e falta de colaboração.


Na prática, há muitos “Suárez” no mercado corporativo, dando resultados, mas que não refletem sobre o seu impacto sobre o ambiente de trabalho, na qualidade de suas relações profissionais, nas “mordidas” que distribuem enquanto correm para o gol. Para as empresas, esse perfil faz cada vez menos sentido. Em tempos de alto turnover e competitividade pelos melhores talentos, o que as companhias mais valorizam é outro tipo de jogador: o comunicador, que seja ao mesmo tempo flexível e colaborativo.




Cadastre-se para receber novidades via e-mail

Rua Pax 02 - 1° Travessa - Centro Industrial do Subaé
Feira de Santana - BA.

Webmail:

Telefone: (75) 3221-1627

Desenvolvido por Agência WF